Breaking News

segunda-feira, 20 de maio de 2019

Pós-jogo: Atlético 2 x 1 Flamengo: Pontos corridos com emoção? Pode vim que temos sim


Mais uma vez foi na raça. De novo com a cara do Galo. Como já havia acontecido nas outras vitórias alvinegras pelo Brasileirão 2019, o jogo contra o Flamengo no Horto na noite do último sábado foi da maneira que todo atleticano já está acostumado. Teve lance polêmico, golaços, VAR, expulsão e tensão. Mas no final a torcida alvinegra comemorou na estreia do novo manto.

Se você torce para o Clube Atlético Mineiro uma certeza já tem: se chegou aos 30 anos sem nunca ter tido algum problema no coração descarte qualquer anomalia que este órgão vital um dia poderia apresentar. O coração do atleticano é acostumado a grandes sufocos e dificilmente te deixará na mão por qualquer susto.

O jogo deste sábado desde o começo se mostrou como um grande teste para o grupo e para o torcedor alvinegro. O time do Flamengo recheado de estrelas mostrou desde o início da partida que o Galo precisaria correr muito para conseguir um bom resultado. Mesmo jogando em casa, o Atlético viu os cariocas tomarem a iniciativa da partida e controlarem a posse de bola logo cedo.

Os primeiros vinte minutos de partida foram de inteiro domínio rubro-negro, que chegou a ter 80% de posse de bola e criou duas boas chances. A primeira, aos 16 minutos, parou nas mãos de Victor, que mostrou que a noite seria dele. A segunda Bruno Henrique não conseguiu cabecear com firmeza de dentro da pequena área e desperdiçou uma chance claríssima.

O Galo aos poucos foi se acertando na marcação e começou timidamente a incomodar o time do Flamengo. Aos 25 minutos, Patric cruzou da esquerda, Ricardo Oliveira ganhou da marcação e finalizou para boa defesa de Diego Alves. O time alvinegro estava entrando no jogo e já incomodava mais o Flamengo em sua frágil linha defensiva.

Dois minutos depois a casa carioca caiu. Após saída errada de jogo, Ricardo Oliveira pressionou Rodrigo Caio que não conseguiu despachar a bola, que sobrou para Cazares. O camisa 10 invadiu a área, deixou os dois zagueiros e o goleiro do Flamengo sem rumo e tocou para o gol livre e abriu o placar. Galo 1 x 0 e a massa ensandecida no Horto.

Cazares voltou ao time deixando uma pintura no Horto.
Foto: Bruno Cantini/Atlético.

Mas a alegria da torcida durou pouco. Aos 30 minutos, Bruno Henrique recebeu passe de Arão, se livrou facilmente de Guga e bateu firme no canto esquerdo sem chances para São Victor. O empate logo em seguida fez a torcida se aquietar e o Flamengo voltou a tomar o controle. Aos 45 minutos, quase a virada. Everton Ribeiro cruza da direita e novamente Bruno Henrique cabeceia livre para outra ótima defesa de Victor. Escanteio para os visitantes. Mas antes da cobrança, o arbitro Paulo Roberto Alves é chamado pelo VAR, para avaliação de um possível cartão vermelho para Elias. Após análise do vídeo, o juiz resolve retirar o amarelo anteriormente dado ao volante e enfim lhe mostra o vermelho. O drama do Galo estava apenas começando.

No intervalo, Rodrigo Santana tirou Ricardo Oliveira e colocou Adilson para recompor a marcação no meio de campo. Com isso, Cazares foi deslocado para o ataque e o Atlético se mostrava bastante “satisfeito” com o empate. Mas a defesa do Flamengo parecia que não queria esse ponto. Mais uma vez Rodrigo Caio falhou na defesa e cortou mal bola levantada por Cazares para Chará. Mas ela sobrou ainda para o colombiano próximo da linha de fundo. Sem muitas opções e sem espaço, Chará arriscou um chute de extrema felicidade que Diego Alves aceitou. Era o melhor sonho possível. Logo no primeiro minuto de segundo tempo, um gol tendo um jogador a menos e a chance de uma vitória que parecia ter ficado distante antes do intervalo.

Chará também fez um golaço e foi muito importante no triunfo alvinegro.
Foto: Bruno Cantini/Atlético.

Como já era esperado, a etapa foi de ataque contra defesa. O Atlético com o resultado, se defendia como podia, e mal conseguia ligar contragolpes. O Flamengo tentava de todas as maneiras furar a defesa atleticana, mas não esperava uma noite tão inspirada de Victor. Usando uma camisa como a utilizada com maestria em 2013 na conquista épica da Libertadores. São Victor fez jus ao apelido de santo e fechou o gol com grandes defesas. A mais impressionante delas, aos 42 minutos, depois de cobrança de escanteio a bola sobra para Renê que chutou e a bola desviou na defesa. Victor já ia caindo para o lado e de forma impressionante conseguiu recuperar e com a ponta dos dedos tirou um gol certo dos cariocas.

Depois disso a vitória tava tranquila, certo? Errado. Isso é Galo, amigos. Na última bola da partida cruzamento para área e em disputa pelo alto Léo Silva desvia para escanteio. Já passavam dos 50, e o tempo de acréscimo acabou. Porém, o VAR entrou em ação mais uma vez. Possível pênalti na disputa. O estádio inteiro ficou apreensivo. Não era possível que toda batalha para manter o resultado iria ser em vão. Todo o esforço não poderia ser penalizado com esse pênalti. Os deuses do futebol não seriam tão injustos assim com o Galo novamente. E dessa vez, eles escutaram nossas preces. Nada a marcar. Fim de jogo. 2x1 encima do nosso rival a nível nacional. Na raça, no peito, no coração. Um prêmio para a grande atuação coletiva do time. Rodrigo Santana vem se mostrando cada dia mais pronto para assumir definitivamente o posto de treinador do Galo. Individualmente, além de Victor, vale ressaltar outras grandes atuações.

Patric, muito contestado foi um leão improvisado na esquerda. Muito seguro na marcação, anulou Everton Ribeiro e Arrascaeta que pouco criaram na partida. O menino maluquinho Luan mostrou a raça de sempre e foi o retratado do suor doado por toda equipe em campo. E a genialidade de Cazares. Um pecado um jogador com tamanha qualidade técnica, mas que sofre com alguns erros fora de campo. É fundamental para o elenco alvinegro, e se manter o foco, será com certeza um dos grandes destaques no campeonato. E por fim, Chará, que também vinha bastante criticado, mas na partida contra o Flamengo foi incansável na marcação pela direita e ainda deixou um gol antológico para a vitória do Galo. Foi com a nossa cara. E que continue assim. Aos poucos vamos mostrando que podemos incomodar os grandes. Abre o olho Palmeiras, estamos na cola.

FICHA TÉCNICA

ATLÉTICO-MG 2 x 1 FLAMENGO


Local: Arena Independência
Público/Renda: 13.616/R$ 501.165,00
Árbitro: Paulo Roberto Alves Junior (PR)
Cartões amarelos: Luan, Victor, Leonardo Silva (ATL); Hugo Moura (FLA)
Cartão vermelho: Elias.

Gols: Cazares (28’/1º T), Bruno Henrique (30’/1º T), Chará (1’/2ºT).

ATLÉTICO-MG: Victor; Guga, Réver (Leonardo Silva, 47’/1ºT), Igor Rabello e Patric; José Welison, Elias e Cazares (Vinicius, 23’/2ºT); Luan, Chará, e Ricardo Oliveira (Adilson, intervalo). Técnico: Rodrigo Santana. 

FLAMENGO: Diego Alves; Pará, Léo Duarte (Vitinho, 14’/2ºT), Rodrigo Caio e Renê; Cuéllar, Willian Arão e Arrascaeta (Lincoln, 17’/2ºT); Everton Ribeiro, Gabigol (Berrío, 31’/2ºT) e Bruno Henrique. Técnico: Abel Braga.

Agora o Galo muda a chave e foca na Copa Sulamericana. Na terça encara a Unión La Calera, no Chile pela estreia na segunda fase da competição. Alguns titulares serão preservados, mas o grupo que segue viagem ao país vizinho tem total condição de fazer uma boa partida e trazer um resultado tranquilo na bagagem.

Rodrigo Ricoy Santiago
Twitter: @dih_ricoy


Nenhum comentário:

Postar um comentário