Breaking News

terça-feira, 30 de julho de 2019

Chuva e uma esperança renovada



Não é loucura dizer que o GP da Alemanha foi o melhor da temporada, talvez ele seja um dos melhores dos últimos anos. A combinação de uma pista em que as três principais equipes andaram muito próximas durante todo o fim de semana, junto com as quebras das Ferraris, que largaram do meio e do fim do grid, finalizando com um tempo totalmente imprevisível fizeram da corrida em Hockenheim um prato perfeito para os fãs de automobilismo!

Foto: Twitter @RedBullRacing

O que vimos no último domingo na Alemanha parecia um perfeito roteiro de filme. Logo no início da prova, experimentamos uma novidade, que foi a largada parada após voltas de apresentação atrás do Safety Car (antigamente, a largada nessas condições era em movimento). Assim, tivemos um início de prova ainda mais movimentado, contando com uma excelente largada de Kimi Räikkönen e uma péssima de Max Verstappen. A partir daí, foi uma prova totalmente atípica, com uma chuva que ia e voltava como um fator extra.

Rodadas, abandonos, várias entradas de Safety Car, uma curva 17 que parecia coberta de sabão e até 6 pitstops por piloto foi o que ditou as 64 voltas do GP da Alemanha, deixando até os menos fanáticos com os olhos ligados na transmissão. No fim, a vitória do jovem holandês Max Verstappen foi uma coroação à prova e à temporada que o piloto de 21 anos está fazendo. Além disso, o segundo lugar de Sebastian Vettel em casa, após o abandono do ano passado e após ter largado em último, teve o sabor de uma grande vitória. Para completar o pódio, Daniil Kvyat, depois de um contestado retorno à categoria após um “rebaixamento” e uma demissão, mostrou que está em sua melhor forma, garantindo o segundo pódio da história da Toro Rosso. Além disso, foi a primeira vez que dois carros com motor Honda chegaram ao pódio desde o GP de Portugal de 1992. Se já não faltavam surpresas na prova, horas após a bandeirada foi confirmada uma punição para os dois carros da Alfa Romeo, elevando Robert Kubica da Williams para o 10º lugar, marcando o primeiro ponto da equipe no ano.

Foto: Twitter @ToroRosso

Se a Fórmula 1 estava cercada de desconfiança, essas últimas três corridas foram o que a categoria precisava para se reerguer. O fator imprevisibilidade voltou a aparecer e a Mercedes não possui mais um domínio tão absoluto. Faltando apenas mais uma corrida antes das férias de verão, cria-se a expectativa de como será a segunda parte da temporada. Não acredito que alguém ainda possa tirar o título do Hamilton ou igualar o desempenho da Mercedes, mas já foi provado que podemos ter boas corridas até o fim do ano, trazendo um maior ânimo até àqueles que tinham desistido da categoria.

Por fim, não poderia deixar passar em branco o espetáculo que a torcida fez em Hockenheim, mesmo com a chuva. Os tradicionais torcedores de Ferrari e Mercedes tiveram a forte companhia da onda laranja holandesa, que aumenta ainda mais a cada prova. Contudo, é uma pena saber que o circuito corre sérios riscos de ficar de fora do calendário do próximo ano, já que ainda não existe acordo para renovação do contrato. Nos resta torcer para que mais corridas como a de ontem renovem a confiança dos fãs e dos organizadores na categoria.


Por: Fabricio Cavalcanti @mundof1brasil

Nenhum comentário:

Postar um comentário