Breaking News

segunda-feira, 5 de agosto de 2019

Vitória com “V” de vingança: Galo comanda o clássico e se mantém no G4


Foto: Bruno Cantini/Atlético.

A torcida rival pode falar que era válido por outra competição. Pode falar que ganhou quando era decisão de campeonato ou vaga em semifinal de Copa. Mas o gostinho de afundar o maior rival no Z4 do Brasileirão, aproveitando a fase ruim vivida do lado de lá não tem preço.

No ritmo do “vuc vuc” de Vinicius Goes, o Galo fez uma partida impecável defensivamente no Horto na noite deste domingo, e aproveitando bem os erros da defesa celeste venceu por 2 a 0 e se firmou de vez na briga pelas primeiras colocações da tabela. Ao clube do lado de lá da Lagoa, o tormento de conviver no Z4 em uma semana de mais uma decisão pela frente.

O jogo começou com uma toada diferente dos últimos clássicos entre as equipes. Mesmo jogando em casa, o Atlético entregou a posse de bola para o adversário e deixou com que o rival tomasse a iniciativa da partida. Mas vivendo uma crise interna no clube que acabou entrando nas quatro linhas, os azuis não conseguiam demonstrar nenhuma criatividade em campo e o desespero foi nítido. Há 7 jogos sem marcar, uma vitória em 17 partidas, mal conseguiram assustar o goleiro Cleiton.

O Galo por sua vez se fechava bem na defesa. Rever e Igor Rabello desde o início mostraram que a concentração estava em dia. Jair um leão na volância diminuía os espaços das mentes pensantes do meio campo celeste. E as saídas nos contra-ataques enfim aconteciam em velocidade e com grande número de jogadores aparecendo para incomodar a defesa rival. Rodrigo Santana mudou a formação e acertou maravilhosamente. Vina, que vive grande fase, cravou seu lugar no time, e vai ser difícil tirá-lo dos 11 titulares. Cazares recuperado de conjuntivite também é peça crucial para a equipe devido a seu grande de leque de jogadas que pode tirar da cartola. Com isso, Romulo Otero que não vinha jogando bem desde seu retorno ficou no banco e sequer foi chamado para o jogo. Mas honestamente? Nem fez falta.

Com uma disciplina tática formidável de todos em campo, o Galo não deu nenhuma oportunidade de gol para o rival na primeira metade de jogo. E na frente, sempre incomodando o arqueiro Fábio. Chará, que não fez grande partida, tentou algumas boas finalizações vindas da esquerda. Cazares em ótima jogada individual deixando Orejuela a ver navios quase fez um golaço e Vina em dois bons chutes de longa distância deram cansaço ao goleiro, que dessa vez não virou as costas para a emoção.

O primeiro gol do Galo na partida talvez tenha sido o gol mais controverso dos últimos anos, o mais contraditório para aqueles que gostam de criticar (algumas vezes com razão, mas em outras apenas por hobby). Pressão na saída de bola feita por... Cazares (que é tido como preguiçoso), posse recuperada e bom giro no meio campo com boa assistência de Ricardo “Pastor” Oliveira (aquele mesmo que não participa do jogo e fica preso lá no meio da defesa adversária) e uma finalização rasteirinha, no cantinho, certeira de Vinicius (que para muitos, inclusive esse que vos escreve, não servia para vestir a camisa alvinegra). Ele vestiu, e representou muito bem o que é jogar um clássico. O 9x2 inverso em sua camisa lhe caiu muito bem e agora ele faz a torcida inteira entrar no ritmo de sua comemoração com Guga. Foi seu terceiro gol nos últimos 5 jogos do time.

Foto: Bruno Cantini/Atlético.
A segunda etapa veio e o rival veio para cima buscando o empate, mas a nossa estava vivendo uma noite de glória ontem. Rever absoluto em todos os lances pelo alto, Rabello um xerifão por baixo. Nada passava. E quando passava, como em cruzamento para Thiago Neves, a má fase do lado de lá reinava. Cabeçada sem maiores sustos pela linha de fundo. E contragolpes alvinegro continuavam dando suor para a defesa deles. E foi em um lance assim que surgiu o segundo gol que sacramentou a vitória. Arrancada de Patric pela direita, ele cruza rasteiro, a bola desvia na defesa e fica na medida para Nathan completar livre de marcação para o gol. Festa da massa, que foi em pouco número ao estádio. Invencibilidade mantida no Independência em 2019, agora já são 21 partidas sem perder no estádio.

O Galo se consolida na quarta posição, agora com 24 pontos, empatado com o Flamengo em terceiro (perde no saldo de gols, 9 a 6) e a quatro do Palmeiras vice-líder. O Santos está isolado na ponta com 32 pontos. Na próxima rodada, o Galo recebe o Fluminense no sábado, 10, às 21:00. Jogo contra mais um adversário da parte de baixo da tabela que devemos entrar com foco total e buscar mais uma vitória. Nada dessa história de jogo fácil. Com o Galo nunca teve isso. No mais jeitinho mineiro de ser, vamos comendo pelas beiradas e quem sabe sem chamar atenção algo grandioso nos está reservado no fim do ano.

Foto: Bruno Cantini/Atlético.

FICHA TÉCNICA
ATLÉTICO-MG 2 X 0 CRUZEIRO

Data: 04/08/2019.
Local: Independência, em Belo Horizonte (MG)
Árbitro: Leandro Pedro Vuaden (RS) 
Assistentes: Fabrício Vilarinho da Silva(GO) e Neuza Ines Back (SP)
Árbitro de vídeo: Daniel Nobre Bins (RS)
Cartões Amarelos: Jair, Elias (CAM); Orejuela, Thiago Neves, Fred(CRU). 
Público e Renda: 13.181/R$ 546.290,00

Gols: Vinícius, aos 45’-1ºT(1-0), Nathan, aos 46'-2ºT(2-0).

ATLÉTICO-MG: Cleiton; Patric, Réver, Igor Rabello e Fábio Santos; Jair, Elias, Vinicius Goes (Nathan), Cazares (Geuvânio) e Chará; Ricardo Oliveira (Papagaio). Técnico: Rodrigo Santana.

CRUZEIRO: Fábio; Orejuela, Léo, Dedé e Egídio; Henrique, Ariel Cabral (Robinho), Marquinhos Gabriel e Thiago Neves (David); Pedro Rocha (Sassá) e Fred. Técnico: Mano Menezes.

Por: Rodrigo Ricoy
@dih_ricoy

Nenhum comentário:

Postar um comentário