Breaking News

segunda-feira, 18 de fevereiro de 2019

Hamlin se livra de incidentes para vencer a Daytona 500


Foto: AP Photo/Phelan M. Ebenhack



A vitória de Denny Hamlin na abertura da temporada, foi merecida. Numa situação que Rômulo Mendonça -- vulgo "Mensageiro do Caos" aprovaria. Big Ones, e num esquema que quase beirou  'resta um',  o piloto do carro #11 tornou a triunfar na principal categoria da NASCAR, após quase 18 meses (03/09/2017 em Darlington) sem saber o que é retornar ao victory lane.
O piloto da Joe Gibbs Racing puxou o 1-2-3 da equipe, que ainda teve Kyle Busch em 2° e Erik Jones em 3°. Se 21 pilotos foram acometados por incidentes, entre eles: Austin Dillon, Brad Keselowski, Daniel Suarez, Jamie McMurray, Kyle Larson, Martin Truex Jr. Ricky Stenhouse Jr., Ryan Blaney, entre outros, Hamlin e seus parças escaparam das confusões para triunfarem. Os acidentes ocorreram já na parte final da prova. Naquele momento em que “Filho chora e os pais não vêem”, e que a negociação por ultrapassgens e melhor/ mais veloz linha no traçado, estaja num estágio agressivo por parte do grid. Já que na volta 191, Paul Menard -- esse cara corre atualmente, por suas qualidade$ reconhecida$, na minha opinião --, tocou em Matt DiBenedetto. Pobre "DiBenedettão", que enquanto esteve na disputa, teve um desempenho sensacional. Foi o piloto que liderou o maior número de voltas (49), e foi tocado pelo piloto da WoodBrothers. Tal toque levou ao primeiro grande incidente da edição 2019 da Daytona 500, que acometeu 16 carros e fez com que a bandeira vermelha fosse acionada.
Após 25 minutos de trabalho dos fiscais para remover os detritos e pedaços dos autos, a prova foi reiniciada, tendo relargada no giro 195. Nem bem a relargada havia tido sua volta completada, novo incidente ocorreu e nova bandeira amarela foi acionada pela direção de prova, graças à Kyle Larson e Ricky Stenhouse Jr. se encontraram de forma não muito amigável, e desencadearam em mais outro Big One. Na relargada, já na prorrogação, Michael McDowell e Clint Bowyer se tocaram entre as curvas 3 e 4, e levando consigo: Chase Elliott, Brad Keselowski, William Byron, Landon Cassill e Jamie McMurray. Em nova tentativa, e derradeira de finalização da corrida, Hamlin segurou as pontas e rumou para sua segunda vitória no Daytona International Speedway -- a outra foi em 2016 --, seu 38° triunfo na carreira, e  garantiu-se nos playoffs da Monster Energy Cup Series.


por: Leonardo Bueno

Nenhum comentário:

Postar um comentário